TUTORIAIS PARA USAR PARTICIPAR DESTE BLOG

6 de abril de 2016

PELE ARTIFICIAL – ADEUS CALVÍCIE


AGORA A PELE HUMANA PODERÁ SER CRIADA POR COMPLETO COM FOLÍCULOS PILOSOS, GLÂNDULAS E NERVOS

Um novo avanço na ciência regenerativa poderá abrir o caminho para os órgãos criados em laboratório e inaugurar uma nova era no desenvolvimento da pele artificial.


BIO-ENGINEERED SKIN
(PELE BIO-ENGENHARIA)
Você pode, agora, aparentemente, adicionar pele para as coisas que crescem em um laboratório. Isto pode soar um pouco 'aurgh', mas pode-se fazer muito mais do que apenas um amontoado de células. Anteriormente, os cientistas têm alcançado sucesso na capacidade de criar a camada exterior ou a epiderme. Agora, podem realmente criar um órgão, incluindo a sua camada de tecido adiposo, folículos capilares, glândulas e nervos inteiro.

A equipe, liderada pelo Dr. Takashi Tsuji, do Centro Riken de Biologia do Desenvolvimento, em Kobe, usaram células-tronco para criar camadas da pele, o que eles têm transplantados com sucesso em um rato. O sucesso do experimento foi baseado no transplante ser capaz de crescer o cabelo e suor através da pele bio-engenharia.

Sua pesquisa foi publicada na ciência avança.

"Até agora, o desenvolvimento da pele artificial tem sido dificultada pelo fato de que a pele não tinha os órgãos importantes, como folículos pilosos e glândulas, que permitem a pele desempenhar o seu importante papel no regulação do organismo", Tsuji observa no comunicado de imprensa. "Com esta nova técnica, temos crescido com sucesso na réplica da pele como função do tecido normal."
Crédito da imagem: RIKEN
LAB CRESCIDOS ÓRGÃOS
Nota-se que a nossa pele passa a ser o maior órgão do corpo, e que este desenvolvimento significa que estamos chegando mais perto e do objetivo final de sermos capazes de recriar os órgãos internos em um laboratório para transplante.

O método de produção de tecidos cultivada em laboratório poderia finalmente oferecer uma alternativa melhor para testes em animais. Além disso, este é um salto significativo no sentido de encontrar terapias de regeneração mais eficazes para pacientes com queimaduras ou aqueles que sofrem de alopecia (calvície).

Experimentos atuais foram realizados em ratos, mas a equipe está otimista de que os mesmos resultados serão entregues uma vez que o procedimento será feito em seres humanos.

Este é um estudo que poderia não só reduzir o tempo de espera de doadores em transplantes compatíveis (deve um dia se tornar a base para a criação de órgãos cultivadas em laboratório), ele também poderia torná-lo mais acessível e disponível para aqueles que dela necessitam.

Fonte: Futurism
Postar um comentário