TUTORIAIS PARA USAR PARTICIPAR DESTE BLOG

31 de março de 2015

O CORVO - TRADUÇÃO DE MACHADO DE ASSIS


Em certo dia, à hora, à hora
Da meia-noite que apavora,
Eu, caindo de sono e exausto de fadiga,
Ao pé de muita lauda antiga,
De uma velha doutrina, agora morta,
Ia pensando, quando ouvi à porta
Do meu quarto um soar devagarinho,
E disse estas palavras tais:
"É alguém que me bate à porta de mansinho;
Há de ser isso e nada mais."

Ah! bem me lembro! bem me lembro!
Era no glacial dezembro;
Cada brasa do lar sobre o chão refletia
A sua última agonia.
Eu, ansioso pelo sol, buscava
Sacar daqueles livros que estudava
Repouso (em vão!) à dor esmagadora
Destas saudades imortais
Pela que ora nos céus anjos chamam Lenora.
E que ninguém chamará mais.

E o rumor triste, vago, brando
Das cortinas ia acordando
Dentro em meu coração um rumor não sabido,
Nunca por ele padecido.
Enfim, por aplacá-lo aqui no peito,
Levantei-me de pronto, e: "Com efeito,
(Disse) é visita amiga e retardada
Que bate a estas horas tais.
É visita que pede à minha porta entrada:
Há de ser isso e nada mais."

Minh'alma então sentiu-se forte;
Não mais vacilo e desta sorte
Falo: "Imploro de vós, — ou senhor ou senhora,
Me desculpeis tanta demora.
Mas como eu, precisando de descanso,
Já cochilava, e tão de manso e manso
Batestes, não fui logo, prestemente,
Certificar-me que aí estais."
Disse; a porta escancaro, acho a noite somente,
Somente a noite, e nada mais.

Com longo olhar escruto a sombra,
Que me amedronta, que me assombra,
E sonho o que nenhum mortal há já sonhado,
Mas o silêncio amplo e calado,
Calado fica; a quietação quieta;
Só tu, palavra única e dileta,
Lenora, tu, como um suspiro escasso,
Da minha triste boca sais;
E o eco, que te ouviu, murmurou-te no espaço;
Foi isso apenas, nada mais.

Entro coa alma incendiada.
Logo depois outra pancada
Soa um pouco mais forte; eu, voltando-me a ela:
"Seguramente, há na janela
Alguma cousa que sussurra. Abramos,
Eia, fora o temor, eia, vejamos
A explicação do caso misterioso
Dessas duas pancadas tais.
Devolvamos a paz ao coração medroso,
Obra do vento e nada mais."

Abro a janela, e de repente,
Vejo tumultuosamente
Um nobre corvo entrar, digno de antigos dias.
Não despendeu em cortesias
Um minuto, um instante. Tinha o aspecto
De um lord ou de uma lady. E pronto e reto,
Movendo no ar as suas negras alas,
Acima voa dos portais,
Trepa, no alto da porta, em um busto de Palas;
Trepado fica, e nada mais.

Diante da ave feia e escura,
Naquela rígida postura,
Com o gesto severo, — o triste pensamento
Sorriu-me ali por um momento,
E eu disse: "O tu que das noturnas plagas
Vens, embora a cabeça nua tragas,
Sem topete, não és ave medrosa,
Dize os teus nomes senhoriais;
Como te chamas tu na grande noite umbrosa?"
E o corvo disse: "Nunca mais".

Vendo que o pássaro entendia
A pergunta que lhe eu fazia,
Fico atônito, embora a resposta que dera
Dificilmente lha entendera.
Na verdade, jamais homem há visto
Cousa na terra semelhante a isto:
Uma ave negra, friamente posta
Num busto, acima dos portais,
Ouvir uma pergunta e dizer em resposta
Que este é seu nome: "Nunca mais".

No entanto, o corvo solitário
Não teve outro vocabulário,
Como se essa palavra escassa que ali disse
Toda a sua alma resumisse.
Nenhuma outra proferiu, nenhuma,
Não chegou a mexer uma só pluma,
Até que eu murmurei: "Perdi outrora
Tantos amigos tão leais!
Perderei também este em regressando a aurora."
E o corvo disse: "Nunca mais!"

Estremeço. A resposta ouvida
É tão exata! é tão cabida!
"Certamente, digo eu, essa é toda a ciência
Que ele trouxe da convivência
De algum mestre infeliz e acabrunhado
Que o implacável destino há castigado
Tão tenaz, tão sem pausa, nem fadiga,
Que dos seus cantos usuais
Só lhe ficou, na amarga e última cantiga,
Esse estribilho: "Nunca mais".

Segunda vez, nesse momento,
Sorriu-me o triste pensamento;
Vou sentar-me defronte ao corvo magro e rudo;
E mergulhando no veludo
Da poltrona que eu mesmo ali trouxera
Achar procuro a lúgubre quimera,
A alma, o sentido, o pávido segredo
Daquelas sílabas fatais,
Entender o que quis dizer a ave do medo
Grasnando a frase: "Nunca mais".

Assim posto, devaneando,
Meditando, conjeturando,
Não lhe falava mais; mas, se lhe não falava,
Sentia o olhar que me abrasava.
Conjeturando fui, tranqüilo a gosto,
Com a cabeça no macio encosto
Onde os raios da lâmpada caíam,
Onde as tranças angelicais
De outra cabeça outrora ali se desparziam,
E agora não se esparzem mais.

Supus então que o ar, mais denso,
Todo se enchia de um incenso,
Obra de serafins que, pelo chão roçando
Do quarto, estavam meneando
Um ligeiro turíbulo invisível;
E eu exclamei então: "Um Deus sensível
Manda repouso à dor que te devora
Destas saudades imortais.
Eia, esquece, eia, olvida essa extinta Lenora."
E o corvo disse: "Nunca mais".

“Profeta, ou o que quer que sejas!
Ave ou demônio que negrejas!
Profeta sempre, escuta: Ou venhas tu do inferno
Onde reside o mal eterno,
Ou simplesmente náufrago escapado
Venhas do temporal que te há lançado
Nesta casa onde o Horror, o Horror profundo
Tem os seus lares triunfais,
Dize-me: existe acaso um bálsamo no mundo?"
E o corvo disse: "Nunca mais".

“Profeta, ou o que quer que sejas!
Ave ou demônio que negrejas!
Profeta sempre, escuta, atende, escuta, atende!
Por esse céu que além se estende,
Pelo Deus que ambos adoramos, fala,
Dize a esta alma se é dado inda escutá-la
No éden celeste a virgem que ela chora
Nestes retiros sepulcrais,
Essa que ora nos céus anjos chamam Lenora!”
E o corvo disse: "Nunca mais."

“Ave ou demônio que negrejas!
Profeta, ou o que quer que sejas!
Cessa, ai, cessa! clamei, levantando-me, cessa!
Regressa ao temporal, regressa
À tua noite, deixa-me comigo.
Vai-te, não fique no meu casto abrigo
Pluma que lembre essa mentira tua.
Tira-me ao peito essas fatais
Garras que abrindo vão a minha dor já crua."
E o corvo disse: "Nunca mais".

E o corvo aí fica; ei-lo trepado
No branco mármore lavrado
Da antiga Palas; ei-lo imutável, ferrenho.
Parece, ao ver-lhe o duro cenho,
Um demônio sonhando. A luz caída
Do lampião sobre a ave aborrecida
No chão espraia a triste sombra; e, fora
Daquelas linhas funerais
Que flutuam no chão, a minha alma que chora
Não sai mais, nunca, nunca mais!

TIRINHA LEGAL

CLIQUE PARA AUMENTAR

30 de março de 2015

INDÚSTRIA FARMACÊUTICA EXPANDE DIAGNÓSTICOS E INVENTA DOENÇAS



– Existe um número muito maior de pessoas saudáveis do que de pessoas doentes no mundo e é importante, para a indústria farmacêutica, fazer com que as pessoas que são totalmente saudáveis pensem que são doentes. Existem muitas maneiras de se fazer isso. Uma delas é mudar o padrão do que se caracteriza como doença. Outra é criar novas doenças.

Parece teoria conspiratória. Mas a declaração da médica e professora Adriane Fugh-Berman é baseada em anos de pesquisa a respeito das práticas da indústria farmacêutica e da facilidade com que ela manipula os médicos, usados não apenas para vender remédios, mas também para promover doenças. No momento, ela está pesquisando algo que descobriu faz pouco tempo. Representantes de fabricantes de material cirúrgico muitas vezes são vistos dentro de salas de operação “ajudando” os cirurgiões. “Que relacionamento é esse?”, quer saber a pesquisadora.

Adriane Fugh-Berman é formada pela escola de medicina da Universidade Georgetown com especialização em medicina familiar. Militou em uma organização voltada à saúde da mulher e ouviu muitas más respostas de médicos, há duas décadas, quando reclamava que não existiam estudos comprovando a necessidade de tratamentos hormonais para mulheres na menopausa. Existia, isso sim, risco — como mais tarde ficou comprovado. O tratamento hormonal aumentou em muito os casos de cancro de mama e a prática mudou. Antes disso, ela ouviu muitas críticas em conferências e seminários médicos.

Quando embarcou no estudo e no programa de educação a respeito da relação dos médicos com a indústria farmacêutica, ela esperava uma reação ainda pior. Professora adjunta do Departamento de Farmacologia e Fisiologia da Georgetown, ela recebeu uma verba para estruturar o programa voltado para a educação dos médicos e para expor as práticas de marketing da indústria, os métodos que ela emprega para influenciar a prescrição de medicamentos. Tarefa espinhosa.

Filha de um casal ativo nos anos sessenta, nos protestos contra a guerra do Vietname, a médica e professora Adriane Fugh-Berman abraçou a oportunidade e criou um blog bem sucedido, com informações e denúncias de gente que trabalhou na indústria farmacêutica e aprendeu as técnicas empregadas para conquistar e influenciar os médicos. Nos últimos dez anos, ela viu resultados do trabalho nos Estados Unidos. Mas alerta que a indústria farmacêutica vê o Brasil, a China e a Índia como os principais mercados para a expansão da venda de remédios.

Fugh-Berman escreveu vários artigos mostrando que a indústria seleciona profissionais ainda em formação, nos chamados Cursos de Educação Continuada (CME). Vendedores bem preparados identificam possíveis formadores de opinião nos centros médicos das universidades: médicos, enfermeiros e assistentes. Eles são paparicados.

Recebem presentes, atenção, são convidados para jantar. Depois de uma checagem, são escolhidos os que poderão falar em nome da indústria e servir aos propósitos mercadológicos. Enquanto falam o que a indústria quer ouvir e divulgam, no setor, a visão das empresas, continuam recebendo todos os privilégios. Assim, as farmacêuticas vão comprando acesso aos profissionais que podem prescrever e promover remédios.



Viomundo – Como, quando e por que você lançou o blog Pharmedout, da Universidade Georgetown, do qual é diretora?

AFB – Originalmente, fomos financiados com dinheiro de uma punição. A Warner Lambert, que era uma subsidiária da Pfizer, foi processada pelos 50 estados americanos mais o Distrito de Columbia por causa da propaganda de um composto que aqui nos EUA se chama Gabapentin.

É um remédio para convulsões, para epilepsia, que estava sendo vendido e promovido como sendo um remédio para depressão e bipolaridade, dor muscular, tudo…

Houve um acordo na justiça a respeito da propaganda ilegal desse remédio. [Nota do Viomundo: Em 2004, a Pfizer foi obrigada a pagar US$ 430 milhões pela propaganda fraudulenta do remédio, vendido com o nome de Neurontin].

Os procuradores estaduais decidiram usar parte do [dinheiro do] acordo para financiar esforços de educação de médicos e do público a respeito das propagandas da indústria farmacêutica. Acho que eles financiaram 26 centros médicos universitários para criar modelos educativos.

Nós recebemos financiamento por dois anos e tivemos melhores resultados do que os outros projetos e somos o único projeto que continua sobrevivendo. Ao menos dos que não existiam antes disso. Existem uns dois que já funcionavam antes.

Eu venho de um ativismo na área de saúde. Trabalhei com um grupo chamado Rede de Saúde da Mulher que não recebe dinheiro algum da indústria e já tinha experiência com essa história de tentar promover mudança social sem ter orçamento…

Produzimos vídeos com gente que trabalhou na indústria, escrevemos análises de artigos acadêmicos, divulgamos material educacional na internet e não recebemos mais dinheiro desde 2008.

Viomundo – Como estão sobrevivendo?

AFB – Estamos sobrevivendo de doações individuais e organizamos uma conferência todo ano. Pedimos algum dinheiro para a escola e cobramos uma taxa de inscrição, apesar de deixarmos todo o mundo que não tem dinheiro entrar de graça porque tem muitos estudantes e eles não pagam nada, por exemplo.

Levantamos um pouquinho de dinheiro com a conferência e algumas doações da escola. Por exemplo, a verba para estudar a relação entre cirurgiões e representantes dos fabricantes de material cirúrgico que ficam dentro da sala de operações ajudando os cirurgiões e ninguém sabe nada a respeito dessas relações e como começaram.

Ganhamos um dinheiro do departamento de filosofia da Georgetown para essa pesquisa. Mas a maior parte da nossa verba vem de contribuições individuais. Temos apenas um funcionário remunerado. Eu não ganho nada do projeto e temos voluntários. Quando o dinheiro acabou, em 2008, ninguém saiu. Todo mundo ficou no projeto. E continuaram fazendo trabalho voluntário nos últimos cinco anos.

Viomundo – Num dos seus artigos você diz que a indústria farmacêutica promove doenças e não apenas a venda de remédios. Você pode explicar e dar exemplos do que está falando?

AFB – Existe um número maior de pessoas saudáveis do que de pessoas doentes no mundo e é importante para a indústria fazer com que as pessoas que são totalmente saudáveis pensem que são doentes. Existem muitas maneiras de se fazer isso.

Uma delas é mudar o padrão do que caracteriza uma doença. Essa é uma área muito vasta e interessante. O padrão para diagnóstico de pressão alta e diabetes e colesterol alto caiu ao longo dos anos.

Viomundo – Para incluir mais gente nessas categorias de doentes?

AFB – Exatamente. Quando eu estava na escola de medicina, uma pressão de 12 por 8 era considerada perfeita. Era o alvo. E agora é considerada pré-hipertensão.

Viomundo – Como aconteceu essa mudança?

AFB – Existem comités que fazem as recomendações para essas mudanças e eles estão cheios de gente que recebe dinheiro das grandes empresas farmacêuticas.

Por exemplo, o Programa Nacional de Educação sobre o Colesterol é supostamente independente e assessora o governo a respeito da maneira de administrar o colesterol.

O comitê que decidiu reduzir as metas tinha uma única pessoa com menos de três conflitos de interesse com os fabricantes de remédios de colesterol. Não sei nem se era zero, mas menos de três!

Obviamente, qualquer pessoa tomando decisões a respeito de remédios para um hospital ou um país não deve ter nenhum conflito de interesse com nenhum fabricante de remédios.

Outra forma de fazer com que pessoas saudáveis pensem que são doentes é expandir a categoria da doença ou até mesmo criar doenças.

Por exemplo, restless leg syndrome (síndrome da perna que não para). É uma doença real, neurológica, raríssima.

Mas foi redefinida de forma que se você está agitado durante a noite, pode ser diagnosticado com essa doença.

Outro exemplo é a doença da ansiedade social. É bom notar que a psiquiatria é a profissão mais suscetível a diagnósticos questionáveis porque todos os diagnósticos são subjetivos.

Dependem muito da cultura e não existe nenhuma prova, nenhum exame para comprovar a existência da doença. Por isso é um alvo.

Uma das categorias que talvez tenha sido criada é essa doença da ansiedade social que antes chamávamos de vergonha.

Outra que foi criada é osteopenia, ou baixa massa óssea, que agora é considerada precursora da osteoporose e a osteoporose é apenas um fator de risco. Não é uma doença, é uma indicação de risco para quedas e fratura de ossos.

Então a osteoporose é um fator de risco para um fator de risco de uma doença. E a osteopenia é um fator de risco para um fator de risco para um fator de risco.

Viomundo – E eu aposto que existe um remédio para isso…

AFB – Claro. E os remédios mais usados podem aumentar o risco de fraturas se forem tomados por mais de cinco anos!

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) também seria um exemplo de algo que provavelmente existe, mas agora qualquer criança que não se comporta na sala de aula é diagnosticada com TDAH e medicada.

Outra coisa que foi inventada é TDAH em adultos. Antes só existia em crianças. Agora também existe em adultos e assim podem continuar tomando remédios o resto da vida.

Existe também um esforço para classificar o vício em nicotina como uma doença porque as empresas que vendem produtos para ajudar a parar de fumar… as empresas de seguro de saúde só cobrem os gastos com esses produtos por dois meses porque eles devem te ajudar a parar de fumar. Depois de dois meses você parou de fumar e pronto.

Mas existe um movimento das empresas que fabricam esses produtos para classificar esse vício como uma doença para que os seguros cubram o custo do uso desses produtos pelo resto da vida.

Assim, eles tentam provar para os fumantes que eles não podem parar e que é melhor substituir o cigarro por um desses produtos. Talvez seja melhor mesmo usar um substituto da nicotina do que fumar, mas quem está tomando essa decisão são as empresas farmacêuticas que usam formadores de opinião na comunidade médica. E essas decisões não são baseadas em Ciência.

São tomadas apenas porque empresas biomédicas poderosas garantem que as opiniões que são favoráveis a elas calem as opiniões contrárias.

Metade das pessoas que consegue eliminar o cigarro com sucesso simplesmente param de fumar. E a indústria farmacêutica odeia isso. Quer fazer com que as pessoas acreditem que necessitam da ajuda dela. E que não podem parar sozinhas ou talvez não possam nunca parar.

É um recado horrível não somente para os consumidores, mas para os profissionais de saúde dizer: “Seus pacientes não conseguem parar de fumar”. Porque isso é o que você tenta primeiro. Se isso não funcionar, então usa um substituto. Mas alguns desses produtos também têm efeitos adversos.

Viomundo – Você diria que no fim do dia o dinheiro é a causa de todos esses problemas? A ganância? 

AFB – Acho que o mais importante é separar a indústria farmacêutica da educação, da regulamentação e das decisões a respeito de que remédios e tratamentos devem ser cobertos.

Não se pode permitir que a indústria se envolva com a educação, que influencie a regulamentação e participe dos comités que decidem que remédios são cobertos.

Eles podem apresentar argumentos e, se tiverem informações, podem apresentar para o comité. Mas as pessoas que participam desses comités não podem ter conflitos de interesse.

E uma das armadilhas é o seguinte conceito: “Eu não tenho conflito de interesses com essas empresas em particular”. Se estou avaliando um remédio, talvez eu tenha uma relação com a empresa B, mas estamos avaliando um produto da empresa A. Então não é um conflito de interesse.

Isso é uma tremenda armadilha por vários motivos. Um deles é que promover um remédio é muito mais do que divulgar os benefícios daquela droga. Pode ser também divulgar informações negativas a respeito de outros remédios. Divulgar informações negativas a respeito de dietas e exercícios. E não está mencionando o remédio da empresa com a qual tem relações.

O que muita gente não sabe e é muito importante é que a promoção de um remédio às vezes começa dez anos antes dele chegar ao mercado. Essa droga pode nem ter sido testada em humanos ainda, mas a empresa já está tentando plantar a semente na cabeça dos médicos de que a doença é um grande problema, que não é brincadeira.

“TDAH destrói vidas. Síndrome da ansiedade social destrói vidas. É uma epidemia trágica. Muito mais séria e abrangente do que você pensa”.

Isso começa anos antes. Pessoas são pagas para falar sobre isso. Quando a droga chega ao mercado você diz “graças a Deus surgiu um remédio para essa doença incurável da qual ouço falar há anos!”.

Viomundo – Por que a população em geral e os médicos, em particular, caem nessa armadilha tão facilmente e com tanta frequência?

AFB – Olha, é mais difícil enganar a população do que os médicos. É muito fácil enganar os médicos. Por vários motivos. Ao menos nos EUA, os médicos, em geral, vêm das classes mais altas da sociedade. Nunca venderam nada. Não têm vendedores na família. Não têm familiaridade com técnica de vendas.

Às vezes conversamos com estudantes que têm vendedores na família e eles identificam claramente as técnicas de vendas. Os médicos não reconhecem. Não apenas vêm das classes mais altas, mas também são ingênuos.

Aparentemente, nos Estados Unidos, e não sei se isso se aplica também ao Brasil, os médicos são mais suscetíveis a golpes financeiros. Eles são inteligentes. São muito bons nas provas de múltipla escolha. Mas não têm esperteza. São crédulos. Para mim foi muito interessante descobrir isso.

Viomundo – Isso não é apenas uma maneira de desculpá-los facilmente? Eles não deveriam ter mais responsabilidade sobre o que estão fazendo?

AFB – Mas eles não são expostos… Ok, nós fazemos uma apresentação chamada “Porque o almoço é importante” e trabalhamos nela com muito cuidado. Usamos psicologia social para ajudar os médicos a perceber esses truques. Uma das coisas que fizemos na apresentação foi, numa das primeiras vezes que a testamos, espalhei pessoas na plateia para anotar os comentários que os médicos faziam. Pegamos os comentários mais comuns e transformamos em slides. Depois usamos esses slides com outras plateias e teve um efeito impressionante.

Um deles, por exemplo, dizia: “Você está errado, os representantes das indústrias farmacêuticas são meus amigos!” ou “eu sou muito inteligente para ser comprado por uma fatia de pizza e você está sugerindo isso!”

Pusemos esses comentários nos slides e depois explicamos porque estavam errados. Os médicos ficaram chocados. Realmente chocados! Porque mostramos o que estavam pensando. Foi muito eficaz.

As pessoas saíram das nossas apresentações jurando que jamais receberiam um representante da indústria novamente. Nunca iriam a um jantar pago pela indústria novamente. Ninguém gosta de ser enganado e quando você descobre que está sendo enganado você fica com raiva. E eles não estavam com raiva de nós e sim dos fabricantes de remédios.

A grande maioria dos médicos quer fazer o melhor para os seus pacientes. Existem alguns que fazem qualquer coisa por dinheiro. Mas eles são a minoria. A maioria quer fazer o melhor para os pacientes. Mas eles não se dão conta de que as fontes das informações que recebem são contaminadas, que estão sendo manipulados pela indústria de diversas maneiras.

Que a indústria controla a informação sobre remédios apresentados em encontros médicos, em publicações médicas, em toda fonte de informação da qual eles dependem. E não gostam quando descobrem isso.

Viomundo – Como é possível mudar tudo isso se a indústria controla a pesquisa e o desenvolvimento de novos remédios, os testes em humanos, tem um dos maiores lobbies no Congresso e assim controla as leis escritas a respeito dela. Como escapar dessa situação?

AFB – Acho que é preciso promover mudanças em várias frentes. Algumas coisas mudaram um bocado, nos EUA, nos últimos cinco a dez anos. Ainda existe muito a fazer, mas acho que boa parte é expor os problemas.

Trabalhos como o da ProPublica divulgando na internet os pagamentos para médicos, de forma simples e acessível. A divulgação obrigatória [do que os médicos recebem da indústria] é importante. Mas não é suficiente.

Algumas mudanças tem que vir da profissão médica mesmo. Ela tem que recusar a relação com a indústria em nível individual ou no nível das sociedades médicas que aceitam dinheiro da indústria. As sociedades médicas têm que parar de receber dinheiro.

Os médicos têm que recusar presentes e temos que tirar todas as pessoas que tenham qualquer conflito de interesse com a indústria farmacêutica dos órgãos decisórios sobre riscos e benefícios de remédios.

Tem que haver reformas legislativas também. Você mencionou a pesquisa, que é muito importante. Nos EUA, há 30 anos, o Instituto Nacional de Saúde financiava 70% de todas as pesquisas biomédicas. Agora, é a indústria que financia 70% das pesquisas biomédicas. Isso é um problema.

Precisamos de mais financiamento do governo. Testes financiados pelo governo às vezes descobrem que remédios antigos são melhores do que os novos. A indústria nunca vai financiar esse tipo de estudo. A indústria financia vários estudos e só publica aqueles dos quais gosta, o que faz sentido de um ponto de vista de negócios.

Viomundo – Sim. Mas não faz o menor sentido para a minha saúde.

AFB – Exato. Existe um movimento internacional para obrigar as empresas a divulgarem as informações de testes em humanos. Se não publicarem, têm que disponibilizar os dados para que outros pesquisadores possam publicá-los, o que é ótimo!

Isso vem do ativismo da comunidade da saúde. Mas algo tem que ser feito pela comunidade médica. Quando vamos à comunidade médica com nossas apresentações, quando lhes explicamos, em geral reagem bem.

Eles vão eliminar essas relações se acharem que são más para os pacientes. Então, parte da solução é a educação e também divulgação obrigatória, exposição, legislação, regulamentação… são várias frentes.

Fonte: SPF

CURA JÁ - CLORETO DE MAGNÉSIO

O Cloreto de Magnésio é como se fosse um MAESTRO, harmoniza, equilibra as funções do organismo, estabelece o PH do sangue, regula pressão arterial e etc.



Vídeo que demonstra seus benefícios:





27 de março de 2015

CAGANDO NO MOTEL






"Era uma noite de quinta, daquelas que a gente não espera nada, quando o gatinho me ligou.

- Vamos dar uma saidinha?
Eu sabia muito bem o que ele queria dizer com isso. E sabia muito bem o que ele queria com isso também.
Bem, não estava fazendo nada. Então… Porque não?
Aceitei, e às 8 em ponto, o carro do Lu já estava na frente da minha garagem. Óbvio que eu ainda estava de toalha na cabeça e creme na cara. Mas como minha mãe sempre diz: Quando o cara quer comer, e sabe que vai comer, nada o aborrece. (Minha mãe realmente diz isso!)
Sem pressa, terminei de me arrumar e finalmente saímos. Fomos primeiro num restaurante que já era velho conhecido meu. Jantar agradável, com a companhia perfeita. Sabe, ele era um cara que eu estava realmente interessada, diga-se de passagem, isso é difícil.
Sempre acho as pessoas um tanto quanto “mais-ou-menos”, mas ele não. Ele era mais!
Era como se o carro estivesse no piloto automático, depois que o jantar acabou, ninguém precisou falar nada, quando vimos, o carro já estava entrando no Motel.
Ele escolhera um quarto com vaga privativa. Prefiro, evita o momento de olhar para a recepcionista, que você sabe que interiormente te olha e diz: “Háá, alguém vai se dar bem!”
Enquanto subíamos as escadinhas, conseguia sentir que a noite ia ser boa. Mas além disso, também sentia outra coisa.
E essa coisa era uma enorme e imensa vontade de cagar.
Inferno! Tinha que ser ali? Naquela hora? Naquele momento? Com aquele cara?
Entramos no quarto, e fui logo dando uma espiadinha no banheiro. Não entendo porque quarto de Motel às vezes possui paredes de vidro entre a cama e o banheiro. Não é visualmente agradável, e nem a acústica ajuda. Ainda mais na minha atual situação.
Para a minha sorte, o banheiro era afastado da cama, e com uma bela e grande parede branca dividindo. Joguei o boy na cama, liguei a rádio na estação de sex music que só os Motéis tem, e quando ele já achava que a brincadeira ia começar, disse que iria no banheiro para voltar bem gostosa para ele.
Homens são facilmente enganáveis. Qualquer coisa que você fale para eles que contenham as palavras “gostosa” ou “deliciosa”, são imediatamente aceitas sem contestação alguma.
Não costumo demorar muito no banheiro, e ainda bem isso não seria um problema. Fiz o que tinha que fazer, e fui dar descarga.
A descarga não funcionou!
Tentei mais uma, duas, três… vinte e sete… quarenta e cinco vezes. É, definitivamente a descarga não estava funcionando.
Ok, e agora? Quais opções eu tinha?
a) Fazer a noiva: Lotar a privada de papel higiênico.
b) Dar um grito e falar “Nossa, deixaram um presente na privada para a gente” e sair rindo.
c) Não fazer nada, e torcer para ele não ir ao banheiro.
Enquanto pensava qual seria a melhor escolha, notei um buraco, uma entrada (ou saída, vai saber) em cima da privada.
Era um buraco, parecia uma saída de ar, e aposto que me salvaria.
Catei a evidencia do ocorrido com bastante papel higiênico e desovei tudo ali. Atolei o mais fundo possível, e saí linda e leve do banheiro.
A noite foi maravilhosa, como já era esperado, mas como acordávamos cedo na sexta-feira, não nos demoramos muito.
Vestimos nossas roupas, e descemos para a garagem. Quando já estava entrando no carro, ele aponta para o capô e exclama:
- Que isso???
Em poucos segundos deduzi tudo:
Merda! Era isso. Exatamente isso!
O tal buraquinho dava para a garagem, mais precisamente para o carro do homem dos meus sonhos, e que agora encontrava-se todo cagado. (o carro, não o homem!)
Merda! Merda! Merda! Mil vezes merda!
- Não acredito. É bosta!
- Calma, deve ter sido algum gato, não sei. Vamos embora, eu limpo.
- Você limpa? Tá louca? Você não vai sujar suas mãos.
- Não esquenta. A noite foi tão boa, né? Deixa isso pra lá.
- O meu carro foi cagado e você quer que eu deixe pra lá?
- Vou chamar o gerente dessa joça.
- O QUE??
Chamar o gerente não. Aquilo já estava indo longe demais. Sem gerente. Pelo amor de Deus. Sem chamar o gerente!
- Não precisa. Vai se estressar por causa de um coco?
- Vou! Por causa de um coco em cima do meu carro!!
É, não teve jeito, ele realmente chamou o gerente.
Eu queria morrer. Juro que eu queria ter um ataque e cair durinha ali. Em cima do coco!
O gerente chegou e já levou umas cinco pedradas do boy. Ele estava furioso. Furiosíssimo.
- Não posso admitir que uma coisa dessas aconteça.. O meu carro está cagado. Completamente cagado!
- Mas isso é impossível, ninguém entrou aqui.
E lá se foram 20 agonizantes minutos de uma discussão que eu sabia que não chegaria a ponto nenhum. Até que certa hora, meus ossos gelaram. O boy olhou para cima e disse:
- Ali ó, aquela saída dá diretamente para o meu carro. Quem tiver feito isso, fez por ali.
- Mas senhor, aquela saída é do banheiro da suíte de vocês.
- Tá querendo dizer que eu caguei no meu próprio carro?
- De modo algum.. Estou sem entender a situação, tanto quanto vocês.
Não agüentava mais aquela situação. Eu queria chorar, eu queria rir, eu queria gritar, eu queria sumir dali a nunca mais voltar.
Como uma espinha sendo estourada, eu explodi:
- FUI EU!!!
Recebi os olhares mais incrédulos que alguém poderia receber. Meu agora ex-futuro-qualquer-coisa me olhava sem conseguir acreditar em tal confissão, sabe aquele olhar 45 ? era esse e totalmente carregado de ódio. O gerente, safado, deu uma risadinha e se retirou, deixando-me na situação mais merda da minha vida. Literalmente.
Entramos no carro ainda sujo de merda, e fomos embora sem trocar uma palavra, nem o vento que batia com a velocidade era capaz de soltar aqueles torossos... as vezes soltava uma bolinha e grudava no vidro.
Cada vez que ligava o limpador de para brisa com mais cara de ódio ele ficava, era a prova no formato de meio círculo.
Passamos o caminho inteiro no silêncio absoluto.Como sempre cavalheiro, ele me deixou em casa e depois seguiu seu caminho.
Vi o homem da minha vida virando a esquina, com seu carro cagado, e sabia ali, que nunca
mais o veria. Alguns anos já se passaram desde essa história, e eu nunca mais tive notícias dele
Poxa, tanto rancor só por causa de uma cagadinha?"


Autora: Marina Barbieri



.

26 de março de 2015

SAÚDE - COMO USAR O CLORETO DE MAGNÉSIO HEXAHIDRATADO P.A EM PÓ (MINERAL)



Ao tomar regularmente Cloreto de Magnésio puro, ajuda o organismo a retomar o seu equilíbrio e a evitar problemas de

SISTEMA CÁRDIO VASCULAR E CIRCULAÇÃO: arteriosclerose, pressão arterial e colesterol elevado, infarte cardíaco, hipertensão, acidentes vasculares cerebrais (AVC), taquicardia (pulso rápido), trombose, angina de peito entre outros.

SISTEMA DIGESTIVO: cólicas, obstipação intestinal, diarreia crônica, má absorção, pancreatite (inflamação do pâncreas) entre outros.

SISTEMA NERVOSO: ansiedade, apatia, confusão, depressão, desorientação, epilepsia, alucinações, irritabilidade, doença mental, esclerose múltipla, nervosismo, neurite, paranóia, doença de Parkinson, Alzheimer, falta de memória, senilidade entre outros distúrbios do sistema nervoso.

GERAL: alcoolismo, artrite, ossos fracos, calcificação em qualquer órgão, o cancro, a síndrome de fadiga crônica, diabetes, dores de cabeça, infecções e inflamações, cirrose hepática, lúpus eritematoso, enxaquecas, sintomas de envelhecimento, problemas da próstata, raquitismo, rigidez mental e física, pele enrugada e dura, rigidez, formação de pedras na vesícula ou rins, tiroide, faringite, amigdalite, rouquidão, resfriado comum, gripe, asma, bronquite, pneumonia, bronco constrição, enfisema pulmonar, doenças de crianças" (tosse, convulsão, sarampo, rubéola, caxumba, febre escarlate ...) , envenenamentos, gastroenterite, furúnculos, abcessos, erisipela, feridas e outros.

COMO USAR:

Em farmácias vende o pote ou pacote contendo a solução em pó com 33 gramas.
O valor médio de custo fica entre R$ 5,00 a 7,00 o frasco.

Diluir em um 1 litro e 1/2 de água filtrada ou mineral.
Armazene sempre na geladeira, em garrafa de vidro escura, nunca transparente.
Eu uso uma garrafa de suco de uva, daquelas de 2 litros que compramos em supermercado, exatamente igual as garrafas da foto:

Nunca use recipientes ou garrafas de plástico, metais ou qualquer outro tipo de material que não seja vidros e sempre escuros, nunca transparente.
Não tente diluir em menos quantidade de água, pode desandar o intestino, 1 litro e 1/2 é ideal.
Até 49 anos, tomar uma xícara de café ao dia.
Acima de 50 anos, tomar 2 xícaras de café ao dia.




OUTRA ALTERNATIVA

O SAL ROSA DO HIMALAIA, contém de forma natural o CLORETO DE MAGNÉSIO e pode ser usado normalmente na culinária do dia a dia.
Geralmente é encontrado no mercado cerealista e o quilo varia de R$ 25,00 a 30,00 reais, o que torna o CLORETO DE MAGNÉSIO em pó vendido em farmácias mais acessível tanto na procura como no valor.

VÍDEO
SAL ROSA DO HIMALAIA E CHÁ VERDE - PALESTRA DR LAIR RIBEIRO 
.
PARA ADQUIRIR O SAL ROSA DO HIMALAIA
COMPRE SEM SAIR DE CASA.
- Eu recomendo, porque sou cliente desta Empresa a um bom tempo.
Clique no banner abaixo.
No Menu lateral esquerdo clique em SUPLEMENTOS e logo abaixo em VITAMINAS.
É só escolher tem o grosso e o moído.
Linha Feminina Bio Instintos | Saúde e bem estar a partir de R$ 11,00 | Confira!

VOCÊ CONHECE A GRIPE DO RASTRO QUÍMICO ?



GRIPE DO RASTRO QUÍMICO 1

A Mídia já se fala em SUPERBACTÉRIAS resistentes aos ANTIBIÓTICOS.... E nós já vínhamos falando sobre isso aqui a muito tempo, que isso iria acontecer, e a agenda da elite continua a todo vapor com a intenção de redução populacional...

Os rastros químicos são compostos de bário, alumínio, além de polímeros (filamentos de Silício), EDB (dibromoetano, pesticida químico já proibido).

Estes rastros causam câncer, mau de Alzheimer, gripe, febre entre outras coisas.

E se um avião de rastro químico passar sobre uma zona onde tem abelhas e outros insetos e estes insetos forem atingidos pelo rastro químico, eles morrem, tenha visto a mortandade de ABELHAS pelo mundo, as grandes, POLINIZADORAS DA TERRA...

Vejam o que acontece: passam os aviões e deixam os rastros, o céu fica estranho no dia seguinte e esfria, dois dias depois chove e é batata!

Já estamos com a garganta ardendo e o nariz entupido. Sempre. Se levam as crianças no PS eles receitam amoxicilina. 

Sem se importar mesmo em diferenciar se a infecção é bacteriana ou viral, pra tanto antibiótico?

Por João Silva.

PESQUISADOR DA FIOCRUZ ESTUDA ORIGEM DO EFEITO DA AUTO-HEMOTERAPIA



Um componente protéico presente no interior de alguma população celular no sangue deve ser o responsável pelos efeitos terapêuticos da auto-hemoterapia. É o que mostra o resultado de pesquisa feita pelo Dr. Flávio Alves Lara, Bacharel em Microbiologia, Mestre em Biociências e Biotecnologia, Doutor em Química Biológica e Assistente de Pesquisa do Laboratório de Microbiologia Celular do Instituto Oswaldo Cruz, órgão da Fundação Oswaldo Cruz.
Através do trabalho denominado “Utilização do camundongo NOD (Non-obese diabetic) como modelo de estudo sobre a eficácia da auto hemoterapia”, o pesquisador mostra também que “De fato, auto hemoterapia utilizando-se apenas da fração plaquetária já é utilizada em vários tipos de tratamento, de implantes ósseos à cura de ulcerações cutâneas, associadas ou não à diabetes”.
Nas conclusões do trabalho, o Dr. Flávio Alves Lara afirma: “observamos novas evidencias a respeito da eficácia da autohemoterapia como ferramenta terapêutica imunomodulatória”, acrescentando que “Nossos resultados iniciais apontam para a participação preponderante da fração celular em detrimento da fração plasmática e do componente heme”, finalizando que “Novos estudos tornam-se necessário para uma total compreensão do mecanismo de ação da supracitada ferramenta terapêutica”.
O pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz observa que se trata de um estudo preliminar, que não dá respaldo científico ao uso da ferramenta em humanos e que “Apesar da sua provável eficácia em um modelo animal clássico de doença auto-imune, seu mecanismo de ação e riscos em potencial não são conhecidos”.
Segundo a pesquisa, após 4 meses de tratamento era visível a diferença entre os animais tratados com injeções contendo a fração celular e plasmática do sangue, quando comparados aos animais tratados com heme e salina. “Os resultados colhidos até o momento apontam para um novo e inesperado mecanismo envolvendo a auto-hemoterapia”- observa.



OUTROS LINKS SOBRE ESSE ASSUNTO NO BLOG


1 - AUTO HEMOTERAPIA - TEU PRÓPRIO SANGUE TE CURA

2 - POR QUE AUTO HEMOTERAPIA TE CURA

3 - AUTO HEMOTERAPIA TEU SANGUE TE CURA















.

O SOFRIMENTO É...

O sofrimento é legítimo na vida humana para que se aprenda a lhe dar com muitas situações que julgavam ser insuportáveis e chega uma hora que não dói mais, não mais. 

Certas coisas não mudam só porque acreditamos que elas deveriam ser diferentes segundo nossas aspirações e vontades particulares.

Cada um é o que é e cada situação da forma que tem que ser.

Nós é que temos que nos adaptar ao mundo externo e não o mundo externo ao nosso interior.

Val Qic

25 de março de 2015

NÃO TEMA O RETIRO, OUTROS PODEM USAR ISSO CONTRA VOCÊ


Por mais que procuremos uma sintonia de conjunções da mente, do instinto e do sentimento que estabeleça vínculos entre seres como necessidade de relacionar-se com nossa própria espécie, só o tempo dirá o que prospera e o que foi apenas momentos de convivência mútua e mesmo isto sendo bom, poderá acabar

Compartilhar aspirações, pensamentos e sentimentos, não nos oferta garantias de algo duradouro através do apego. Há pessoas que passam por nossas vidas e que ficam muito pouco tempo e que aqueles momentos tão breves, nos trouxeram aprendizados enormes e é como se a pessoa passasse por nós para deixar somente aquela lição que nos permitirá ter um rumo melhor em nossas vidas.

Por mais pessoas que você venha conhecer, gostar ou excluir através de comparações evidenciando as diferenças, o caminho verdadeiro que te deixa forte nos sentimentos, é solitário, impessoal, particular e que deve ser evoluído através do equilíbrio, não para chegar à perfeição e sim para entender que pessoas imperfeitas sempre serão imperfeitas independente de se melhorarem ou não com tempo.

Há exceções sim! Há diferenças que não permitem qualquer tipo de vínculo, que nada pode ser relevado para que se estabeleça um relacionamento de qualquer teor mas, não é disso que estou falando.

Ao temer a solidão, o indivíduo "atira para todos os lados" e isso é perigoso quando não se aprecia a própria companhia, porque outros percebem e usam isso contra você. A solidão é um estado de espírito e estar só por opção, reservando momentos para se dedicar a si mesmo(a) é um pilar emocional que deve ser levantado para uma vida melhor.

Qualquer tipo de dependência não é legal.

vAL qIC

ESTAR SÓ É NECESSÁRIO PARA APRENDER


"Na solidão, muitas coisas se revelam por estarmos sozinhos, naquele momento.
Talvez porque não interesse a mais ninguém."

O GUERREIRO SABE QUE TEM QUE PASSAR POR ISSO MUITAS VEZES




Passamos por momentos ruins, porque talvez, nossas escolhas, são limitadas demais e ousamos de menos por medo.

A zona de conforto de muitos é um cárcere, onde a pessoa se enjaula feito bicho, retendo a falsa sensação de segurança, com medo do que haverá do outro lado da montanha, por não saber se haverá um bosque lindo ou um pântano cheio de perigos.

O mundo são dos destemidos, ousados e dos que aceitam que algo pode dar errado e que é necessário mudar a começar pela aceitação de sua própria imperfeição, dos sofrimentos ao qual NINGUÉM ESCAPA..

Sofrer é bom quando não o desejamos e muito menos o negamos.

São nos maus momentos que aprendemos do que somos capazes e que não sabíamos disso.
São nos sofrimentos, nas dificuldades que percebemos o quanto podemos nos amar por emergir qualidades que até então, não sabíamos que tínhamos.

O sofrimento trás o amor próprio para os que lutam e tristezas profundas para os que acreditam que a solução venha fácil pelas mãos de alguém.

Quem depende dos outros até para sofrer e quer ser amado, jamais entenderá essas palavras.

vAL qIC

VENÇA A TI MESMA E DERROTARÁ A TODOS TEUS INIMIGOS



Amorteça a "queda" do interior de alguém que você deixou em ruínas sem se dar conta, sem querer. "Encha a bola" do outro, desta forma estará vencendo a si mesma através do teu próprio ego, dando a falsa impressão que está derrotada, já que medir forças era o intuito do que se declarou oponente sem teu consentimento, sem esperar..

É assim que se enfrenta demônios: os teus e os dos outros ao mesmo tempo. 

Vença a si mesma e de forma paralela, dê a falsa sensação de vitória ao outro. 

Enquanto de forma imparcial vai matando teu ego, em contrapartida alimenta os demais. 


Val Qic

LIVROS: COMO ERAM FEITOS ANTIGAMENTE - VÍDEO

Muito interessante esse vídeo.

É gostoso de assistir!


video



24 de março de 2015

TECNOLOGIA E IDIOTIZAÇÃO


“Podemos ser mentes inacabadas e condicionadas, num estágio de evolução aprisionado pelas percepções ilusórias do ego. Podemos estar já vivendo esse “tempo em que” Einstein se refere ao seu temor de a tecnologia idiotizar. Sim, podemos escolher todas as perspectivas realistas, as mais pessimistas, científicas e duras. Apenas olhar para essa realidade não nos ajuda, porque todos os dias os seus golpes já nos são desferidos. O que nos ajuda a enfrentar e a transformar a realidade que criamos, continua sendo uma gota de amor, de força, de fé, uma gota de luz, esperança, motivação e otimismo. O que muda o nosso dia é quando alguém chega e nos diz: coragem, força, fé, levanta e anda. Peito para fora, barriga para dentro, ombros relaxados, e de novo, coragem, estou com você e juntos podemos mais.” 
Por - Nilsa Alarcon e J. C. Alarcon

PARA ABRIR A MENTE E EDUCAR O CORAÇÃO



Quando a gente quer muito uma pessoa, a gente se engana. A gente tenta encaixar aquele outro ser humano em posições que nunca foram dele. A gente clama ao universo para um sim em algo que já começou destinado ao não. A gente quer, e a gente bate o pé e faz pirraça feito criança para conseguir. Mas um dia a gente percebe que amor tem que ser uma via de mão dupla. Amor tem que ser fácil, tem que ser bom, tem que ser complemento, tem que ser ajuda. Amor que luta, é ego. Amor que rebaixa é dor. E então a gente aprende que amor que não é amor, não encaixa, não orna, não serve.


Fique com alguém que não tenha conversa mole. Que não te enrole. Que não tenha meias palavras. Que não dê desculpas. Que não bote barreiras no que deveria ser fácil e simples. Fique com alguém que saiba o que quer e que queira agora.

Fique com alguém que te assuma. Que ande com orgulho ao seu lado. Que te apresente aos pais, aos amigos, ao chefe, ao faxineiro da firma. Que segure a sua mão ao andar na rua. Que não tenha medo de te olhar apaixonadamente na frente dos outros. Fique com alguém que não se importe com os outros.

Fique com alguém que não deixe existir zonas nebulosas. Que te dê mais certezas do que perguntas. Que apresente soluções antes mesmo dos questionamentos aparecerem. Fique com alguém que te seja a solução dos problemas e não a causa.

Fique com alguém que te transborde. Que te faça sentir que você vai explodir de tanto amor. Que te faça sentir a pessoa mais especial do universo. Fique com alguém que dê sentido à todos os clichês apaixonados.

Fique com alguém que faça planos. Que veja um futuro ao seu lado. Que te carregue para onde for. Que planeje com você um casamento na praia, uma casa no campo e um pastor alemão no quintal. Fique com alguém que apesar de saber que consegue viver sem você, escolhe viver com você.

Fique com alguém que não se esconda. Que não te esconda. Que cada palavra seja direta e clara. Que não dê brechas para o mal entendido. Que faça o que fala e fale o que faça. Fique com alguém cujas palavras complementam suas ações.

Fique com alguém que você não precise convencer de que você vale a pena. Que não tenha dúvidas. Fique com alguém que te olhe da cabeça aos pés e saiba, sem hesitar, que é você e só você.

Fique com alguém que te faça olhar para trás e agradecer por não ter dado certo com ninguém antes. Fique com alguém que faça não existir mais ninguém depois.

Texto de Marina Barbieri

CITAÇÃO DO LIVRO: "FAÇA AMOR, NÃO FAÇA JOGO."



“Ouvi um velhinho dizer: “Amei a mesma mulher durante 50 anos”. Pensei no quanto isso era do caralho. Até ele dizer: “Queria que ela soubesse disso.” Às vezes as pessoas fazem jogo duro, porque precisam saber se os sentimentos do outro são reais. Pensei no quanto isso era fodido. Somos apenas caras. Somos estúpidos ás vezes, muitas vezes. Quantas vezes quis dizer: “EU GOSTO DE VOCÊ” E não disse. Não quero chegar aos 90 anos, morrer e pensar: “Eu podia ter tentado” Eu costumava ser mais feliz. Hoje está tudo meio “tanto faz” Vejo homens chamando mulheres para saírem. E no último minuto desmarcarem. Apenas para serem difíceis, ou tanto faz. Eu tinha uma paquera. Mandava mensagem e ela demorava sempre 4 dias para responder. Imagina se eu fosse uma dessas pessoas que pensa: “Se demorar mais de 2 minutos para responder vou me matar” Esses dias, depois de sei lá quanto tempo, essa paquera mandou uma mensagem: “Estou com saudades” A pessoa diz sentir sua falta mas não demonstra. Ela espera que você adivinhe com seus super poderes mentais, que ela precisa de você. Eu sabia que qualquer coisa que respondesse, teria que esperar 4 dias para a resposta. Então respondi: “Aproveita o gelo que vai me dar e me traz uma coca gelada” Se você está cansado de joguinhos, de tanto faz, dessas regras bobas. Faça como eu. Demita-se. Sabe, esqueça essa teoria de não dar moral. Se quer ligar, liga. Vai lá, tenta, quebre a cara, acredite. Sabe, pensar duas vezes é à distância entre os que sonham e os que vivem. Então, viva. Saia dessa. Não viva desse jeito. Onde você precisa esconder o que sente. Só porque algumas pessoas disseram que não se envolver é a melhor forma de viver. Babaquice. Limitar-se é um problema. Limitar o sentimento é o pior deles. Vai perder a chance de viver uma história. Porque não teve coragem de falar. Eu agora me apaixono por mulheres que, além de gostarem de Pearl Jam, aceleram meu coração. Eu agora me apaixono por mulheres diretas e honestas. Que não fazem jogos, fazem amor. Quero conquistar uma mulher sendo eu mesmo. Sem estereótipos, sem medo. Eu agora, passei a ver o mundo de outra maneira. E não foi ele que mudou, fui eu!”

23 de março de 2015

ATENDIMENTO MÉDICO - VÍDEO

Não estou aqui para generalizar, existem Médicos que praticam a ética. Que fique bem claro isso!

Um vídeo para ilustrar o atendimento médico dos que não praticam a ética de forma bem humorada.
video