TUTORIAIS PARA USAR PARTICIPAR DESTE BLOG

31 de janeiro de 2015

JOSEPH CONRAD (1857-1924)

"Encontrei-me mais uma vez na cidade sepulcral, sem poder tolerar a contemplação das pessoas que apressavam-se pelas ruas para extrair uma das outras um pouco de dinheiro, para devorar sua infame comida, sonhar seus sonhos insignificantes e torpes. Era uma ofensa para meus pensamentos. Intrusos cujo conhecimento da vida constitui para mim uma pretensão irritante, porque estava seguro de que não era possível que soubessem as coisas que eu sabia. Sua conduta, que era apenas uma conduta de indivíduos comuns cuidando de seus afazeres na convicção de uma perfeita segurança, me ofendia como as ostentações afrontosas da loucura em face de um perigo que ela era incapaz de compreender."
— Coração da Trevas (1899) Heart of Darkness.
..........................................................................................................

Obra: Art by Zdzisław Beksiński (1929-2005)

AS PESSOAS GOSTAM DO QUE ELAS NÃO TEM


Sou atemporal. Nunca pertenci a nada, a ninguém, em qualquer época... Me desfazia do que nunca tive, para que pessoas que viviam das ilusões das posses achassem que perdi, alimentando seus egos para que me deixassem em paz com um sentimento de regozijo e superioridade, porque é isso que as deixam felizes.
Eu posso fazer qualquer pessoa feliz entrando em seus jogos, pois não as pertenço também e desta forma me mantenho livre sem que ninguém saiba, porque se desconfiarem que o apego é isento no meu Ser, irão querer me aprisionar. 
Eu sei exatamente o ponto fraco de cada um e de forma honesta, ajo com dignidade e respeito diante deles, mas não tente me aprisionar, porque meu lado selvagem pode emergir. 
- Val Qic -

29 de janeiro de 2015

GRÁFICA DE LÍDER RELIGIOSO FURTAVA ÁGUA


O administrador da gráfica Sê Tu Uma Benção, propriedade de Valdemiro Santiago, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, foi preso em flagrante depois que um esquema de furto de água foi descoberto por técnicos da Sabesp, na última quarta-feira.

Policiais da 3ª Delegacia de Polícia de Investigações sobre Crimes Patrimoniais estiveram no local e constataram a irregularidade. Um cano foi adaptado para que recolhesse água sem passar pelo hidrômetro. Segundo estimativa da polícia, por mês o estabelecimento deveria gastar em torno de R$ 3.400, mas o valor da conta era de apenas R$ 71,94. Ainda segundo os investigadores, a fraude acontecia há pelo menos seis meses.

No local, trabalham mais de cem pessoas. O administrador do local, Jorge Alves Lisboa, foi liberado depois de pagar fiança de R$ 7.880. Segundo a polícia, Valdemiro e a mulher, Francileia Gomes, sócia da gráfica, podem ser responsabilizados. As investigações ainda estão em andamento. Eles podem responder por furto de água e crime contra o patrimônio. A pena pode chegar a sete anos de prisão.

Segundo a Sabesp, não há multa para este tipo de irregularidade. A empresa calcula o valor que o infrator deixou de pagar com o ‘gato’ e realiza a cobrança, como acontece nos casos de atraso de pagamento.

A reportagem tentou entrar em contato com Valdemiro e Francileia, mas eles não foram encontrados para comentar o caso.



Fonte: EXTRA

25 de janeiro de 2015

BONDADE EM PROGRAMAS DE TV QUE FAZ DOAÇÕES A FAMÍLIAS CARENTES

FUNCIONA COMO UM MERCADO DE PEIXES...

Os programas de determinados CANAIS DE TV, oferecem a chance de EMPRESAS divulgarem seus PRODUTOS E SERVIÇOS de GRAÇA, ajudando uma FAMÍLIA CARENTE COM DOAÇÕES e os próprios CANAIS DE TV LUCRAM MUITO JUNTO COM ESSAS EMPRESAS QUE SUPOSTAMENTE SÃO CARIDOSAS... LUCRAM MUITAS VEZES MAIS QUE O VALOR ACUMULADO DE TODAS AS DOAÇÕES E VOCÊ TROUXA ACREDITA E ATÉ CHORA DE VER AS FAMÍLIA SEREM "AJUDADAS".

- Você cai nessa?
- Você acha mesmo que o apresentador do PROGRAMA é humilde e fora das câmeras é a mesma coisa?
- E VOCÊ?
- FAZ CARIDADES QUANDO PODE OU SÓ SE EMOCIONA COM O FALSO OTIMISMO TELEVISIVO?
- Experimente o que é emoção de verdade: TRABALHE COMO VOLUNTÁRIO, MASSSSS... SEM FLASH EM FACEBOOK. kkkkkkkkkk


Me poupe...


SE OPTAR PELO PRAZER DO CRESCIMENTO, PREPARE-SE PARA SOFRER. (NIETZSCHE) - VÍDEO



CENAS DO FILME QUANDO NIETZSCHE CHOROU

Se optar pelo prazer do crescimento, prepare-se para sofrer
Se optar por não sofrer, junte-se ao prazer da GRANDE MASSA.

(Friedrich Wilhelm Nietzsche)


O Mal — um bem favorável ao grande crescimento

Examinem a vida dos melhores e mais fecundos homens e povos e perguntem a si mesmos se uma árvore que deve crescer orgulhosamente no ar poderia dispensar o mau tempo e os temporais; se o desfavor e a resistência externa, se alguma espécie de ódio, ciúme, teimosia, suspeita, dureza, avareza e violência não faz parte das circunstâncias “favoráveis” sem que as quais não é possível um grande crescimento, mesmo na virtude? O veneno que faz morrer a natureza frágil é um fortificante para o forte — e ele nem o chama de veneno.

.
video



24 de janeiro de 2015

ZADS - UMA NOVA FORMA DE SOBREVIVER AO CAPITAL?

Filósofo Patrick Viveret analisa as Zonas A Defender (ZADs), em que ativistas resistem a projetos devastadores criando novas formas de convívio
Christian Losson e  Sylvain Mouillard,
de Paris (França)

 Um novo elemento passou a marcar, há meses, a paisagem política (e geográfica…) da França: as Zonas a Defender [Zones à Défendre, ZADs]. Não são uma novidade absoluta – mas uma reelaboração.
Em diversas partes do país, eclodiram mobilizações contra grandes projetos ou obras, considerados devastadores ambiental ou socialmente. Mas há ao menos duas novidades, em relação a protestos semelhantes, presentes nas lutas sociais em todo o mundo há décadas.
As novas ações têm caráter territorial. Além de promover campanhas contra os projetos contestados, ocupa-se os locais em que está planejada sua construção, para impedi-la.
Na região de Nantes, noroeste francês, centenas de pessoas vivem, há mais de dois anos, numa área de 1,6 mil hectares, onde está prevista a construção de um novo aeroporto internacional (Nantes já possui um e está a apenas duas horas e meia, por trem, de Paris). No sudoeste do país, outra ocupação contesta a construção de uma barragem sobre o Rio Tescou. Afirma-se que ela servirá a apenas um pequeno grupo de agricultores capitalizados, e alagará o habitat de espécies animais e vegetais importantes. Já no vale do Rio Isère, sudeste francês, confronta-se a destruição de parte da Floresta de Chambaran, para que seja erguido em seu lugar um complexo turístico… Embora tenham surgido em 2012, as ZADs multiplicaram-se recentemente. Há dezenas delas, a ponto de terem se tornado dor de cabeça para governantes interessados em lançar novos empreendimentos.
A segunda novidade são os experimentos pós-capitalistas. Cada ZAD converte-se num laboratório de novas práticas. Cultiva-se sem agrotóxicos. Criam-se animais sem confiná-los ou submetê-los a crueldades (um setor do movimento é ativamente vegano). Vive-se em construções erguidas segundo métodos de permacultura. Considera-se que a terra é um bem-comum. Usam-se moedas solidárias. Busca-se substituir as lógicas de competição pela colaboração e a reciprocidade. Acolhe-se imigrantes, num continente onde cresce a sombra da xenofobia. Busca-se ativamente tornar as comunidades inter-generacionais.
Em outro traço marcante, as ZADs nutrem profunda desconfiança pelo sistema político institucional, explica Nicholas Haringer, um estudioso do altermundialismo. Seus participantes, em geral, perderam a esperança num sistema democrático em crise e corrompido pelo poder econômico. Não aceitam submeter sua luta a parlamentos em que não enxergam chances reais de debate aberto ou de influência cidadã. Também por isso, resistem frequentemente a ações da polícia.
A ZAD de Nantes foi semi-destruída em outubro, por uma carga brutal da polícia. Na que resiste à barragem sobre o Rio Toscou, um jovem de 21 anos foi morto em dezembro, quando um bomba atirada em um ato de repressão explodiu sobre suas costas. Os incidentes não levaram os “zadistas” a recuar.
O que revela a aparição deste novo fenômeno de luta social? Em entrevista ao jornal Libération, traduzida por Outras Palavrase publicada a seguir, o filósofo Patrick Viveret aponta o surgimento, no cenário político contemporâneo, de uma “polarização criativa” — ainda que muito perigosa.
Por um lado, diz ele, o capitalismo tornou-se, desde a crise de 2008, muito mais desumano e radicalizado: um “hipercapitalismo brutal”, em que 67 pessoas têm tanta riqueza quando 3 bilhões de outras; e em que a financeirização tornou-se tão intensa que o tempo médio de posse de uma ação de empresa reduziu-se a… 12 segundos!
Em resposta, prossegue Viveret, também os movimentos que lutam por novas lógicas sociais teriam derivado sua posição. Já não bastaria anunciar, nos Fóruns Sociais Mundiais, que “um outro mundo é possível”. É preciso dizer que “outro mundo possível existe” — ou seja, colocar em prática desde já, ainda que de forma localizada, ações que combinem resistência, visão transformadora e o que o filósofo chama de “experimentação antecipatória”. Este tipo de atitude, imagina Viveret, irá se mostrar ainda mais importante e inspirador caso a crise do sistema continue a se aprofundar e a amputar direitos. Nesse caso, diz ele, “devemos nos preparar para organizar a resiliência nos territórios”.
Patrick Viveret é filósofo no Instituto de Estudos Políticos de Paris e um teórico particularmente inovador em temas como riqueza, moeda, crédito, globalização e democracia. Publicou, entre diversas obras, "Reconsiderar a Riqueza" (Ed. UnB, 2006) em que disseca a parcialidade de cálculos como o do PIB e os interesses que há por trás deles. Participa ativamente, desde 2001, dos Fóruns Sociais Mundiais. Colabora atualmente com a revista francesa Territoires. A entrevista vem a seguir. (Antonio Martins 

O que significa a multiplicação das ZADs nas narrativas sobre a nossa sociedade, hoje?
Patrick Viveret – As ZADs agem qual um espelho invertido. Elas contestam os modelos de crescimento, de produção, de consumo. E de descarte: nossa época produz lixos e desperdício, enormemente. Elas participam de um movimento muito mais amplo, que coloca a questão do discernimento entre a utilidade e a inutilidade. Hoje, a economia dominante é, de fato, mais que nunca caracterizada por sua dissociação da política e da ética. Dissociação que o teórico do marginalismo, Léon Walras, resumiu da seguinte maneira em seu tratado de economia política pura: “que uma substância seja pesquisada por um médico para tratar ou por um assassino para envenenar é uma questão muito importante de outros pontos de vista, mas completamente indiferente do nosso. Para nós, a substância é útil nos dois casos”.

O que significa isso?
Este partidário da economia social denunciava uma teoria que julgava natural eximir-se de qualquer consideração sobre a natureza benéfica ou prejudicial das atividades econômicas, ao não interessar-se senão pelo fluxo monetário que elas geram. A resistência das ZADs contribui para questionar o tripé da crença dominante: crescimento, competitividade, emprego. Um mantra que não se interroga nem sobre a natureza do crescimento (que comporta vários elementos destrutivos) nem sobre os vencidos na corrida pela competitividade (por exemplo, o Mali, a África Central, a Ucrânia), nem sobre a natureza do emprego (a Organização Internacional do Trabalho fala de “trabalho decente” para melhor sublinhar a expansão dos empregos indecentes).

As ZADs opõem cooperação à competição; questionam também o capitalismo, o papel do Estado, as falhas da democracia representativa?
Não foi preciso esperar a chegada das ZADs para emergirem a resistência, ações, experiências. Os Fóruns Sociais Mundiais (FSM), desde a primeira edição em Porto Alegre em 2001, passando pelo FSM de Belém, igualmente no Brasil, em 2009, que colocaram a questão do bien-vivir, ou do convivere, da “convivialidade”, ou o próximo em Tunis, em março de 2015, apontam, de modo global, as mesmas críticas. Existe, para usar a fórmula de Bénédicte Manier, “um milhão de revoluções tranquilas”; milhares de alternativas, como as que cristalizam o movimento “Alternatiba”; coletivos como esse, por uma transição cidadã, em que um mundo em mudança é experimentado, de modo criativo.

Estamos no “glocal”, a interpenetração e rede de lutas globais e locais?
Sim. Com uma sobre-representação das ZADs, na França, com relação a outras formas de luta e de alternativas. Incluindo os protestos, às vezes violentos, sobre-explorados pela televisão. Podemos certamente opor o fato de que a própria sociedade é violenta, como o Estado ou as forças da lei. Mas é importante distinguir conflito de violência. As formas de conflito não violento foram sempre, historicamente, as mais eficazes e permitiram evitar que a violência se voltasse contra seus próprios autores, como pudemos ver nas primaveras árabes. A violência coloca em questão a erradicação do inimigo. Já o conflito questiona os papeis sociais do adversário, sem atacar as pessoas. A democracia é a arte de transformar inimigos em adversários. A resposta à violência econômica, social, societal, não pode ser outra forma de violência. As posturas do líder do Medef [sindicato patronal francês], Pierre Gattaz, empenhado numa luta de classes de ricos, são brutais e violentas e podem conduzir a respostas igualmente duras.

Assistimos, também, a articulações inéditas em torno das ZADs, como nos movimentos por justiça climática, que agregam associações legalistas constituídas, pequenos produtores ecológicos ou militantes radicais em torno de diferentes ações que defendem interesses comuns…
É verdade. Mas a ocupação dos lugares contra os grandes projetos inúteis é conflito positivo, não é violência. Não se deve dar prioridade ao desenvolvimento disso que Wilhelm Reich, na Psicologia de Massa do Fascismo, evocava ao falar de “praga emocional”. Quando as lógicas do medo e a tendência ao recuo identitário importam mais que toda racionalidade. O economista e Prêmio Nobel de economia Joseph Stiglitz fala de duplo fundamentalismo. O primeiro, comercial, retoma o que Karl Polanyi, em A Grande Transformação, chamava de sociedade de mercado, mina os laços sociais, tensiona as solidariedades, e vem nutrir o segundo: o fundamentalismo de identidade. Que não é senão religioso, como mostra a Frente Nacional.

As ZADs, como outras experimentações, ilustram também a carência de respostas políticas à altura dos desafios?
É necessária uma outra abordagem da riqueza, mas também da democracia e do poder, diante do risco de um sistema oligárquico. Uma democracia não pode definir-se somente por sua parte quantitativa (a lei do número), que esquece a parte qualitativa: a cidadania. Aqueles que lançam o alerta, por exemplo, podem ser muito minoritários e, não obstante, oxigenar a mutação da democracia. Não há uma representação legítima sem a forte participação dos cidadãos. Cada grupo de atores, aí incluindo as ZADs, deve também aceitar que pode haver procedimentos democráticos mais amplos, consultas reais aos cidadãos, que podem terminar com referendos em territórios. A tentação da imposição pela força é muito presente na classe dominante, mas pode estar também entre os dominados.

Em 2001, o altermundialismo falava de um “outro mundo possível”. Mas, apesar da crise, desde 2007 as lógicas do capitalismo nunca foram tão ferozes. O que mudou em quinze anos?
Como em todos os grandes períodos de mutação histórica, assistimos a uma dupla polarização. A polarização regressiva: o hipercapitalismo, que jamais foi tão inumano, tão brutal, traduz o fim de um ciclo; ele se radicalizou porque se sabe ameaçado. Esta é uma característica do fim de ciclos históricos. Os últimos anos da colonização francesa na Argélia foram, da mesma forma, os mais violentos. Desde 2008, o sistema torna-se uma caricatura de si mesmo. Todos os indicadores de antes da crise se agravam: jamais existiram tantos derivativos financeiros no mundo, da ordem de 800 trilhões de dólares, segundo o Banco Internacional de Compensações. Jamais o tempo médio de posse de uma ação foi tão curto: 12 segundos! O hipercapitalismo é incapaz de pensar os grandes desafios do século 21: ele ignora a “mundialização”, como dizia Edouard Glissant, por não se concentrar senão em “sua” mundialização, a globalização financeira. O que diz esse mundo em que 67 pessoas, segundo a Oxfam, possuem tanto quanto 3 bilhões de outras? Essa é a fratura que está se abrindo, num mundo que morre. A humanidade se confronta com a obra de sua própria humanização.

E o que você chama de polarização criativa?
Ela está precisamente ali, como o mundo novo, o novo modo de viver junto. Passamos de um “outro mundo é possível” a um “outro mundo possível existe”. Estamos no tripé do sonho. O “R” da resistência, o “V” da visão transformadora que desenvolve o imaginário, o “E” da experimentação antecipatória, tudo iluminado pelo “E” da [évaluation] avaliação como discernimento. Devemos nos preparar para uma nova grande crise e, portanto, para organizar a resistência nos territórios. A mudança de perspectiva é essencial: uma abordagem diferente para a economia, a democracia, a civilização, como defendido por Edgar Morin. (Outras Palavras)

Tradução: Inês Castilho

APRENDA A INVESTIR EM DÓLAR



A experiência das últimas duas décadas mostra que, via de regra, o investidor brasileiro precisa aprender a avaliar oportunidades gringas quando a economia doméstica patina.


Trata-se ainda de uma barreira cultural por aqui.

Podemos aprender com os vizinhos mais próximos. Argentinos e chilenos aplicam habitualmente em produtos financeiros denominados em dólares. Uruguaios fazem o mesmo, aproveitando-se de uma legislação bastante flexível nesse sentido.

No entanto, nós brasileiros continuamos viciados nas soluções caseiras, mesmo quando elas perdem para a inflação e para os impostos excessivos.

A desculpa de ignorância está sempre à mão, mas ela só serve para prejudicar nossos próprios bolsos. Ademais, não podemos sequer alegar desconhecimento do assunto: investir em moeda forte é muito mais fácil do que parece à primeira vista.

Por que os analistas da Empiricus recomendam aplicações em moeda forte?

Primeiramente, entendemos que o posicionamento em dólares deve ser religioso dentro de sua carteira, independente do momento econômico.

Ao ter parte de sua riqueza em USD, você diversifica a exposição de seu patrimônio, amenizando o risco-Brasil.

Um exemplo simples dos benefícios dessa diversificação: a inflação brasileira roda sistematicamente acima da inflação global. Isso faz com que – tudo o mais constante – o real perca valor em relação às moedas internacionais, sendo o dólar a principal delas.

De forma a impedir essa perda rotineira de valor, temos que oferecer taxas de juros muito superiores às do restante do mundo. Em condições normalizadas, isso não é tanto um problema, pois conseguimos pagar os juros com algum esforço. Mas quando a economia doméstica sai do prumo ou ocorre uma crise externa, nossa credibilidade afunda rapidamente e, por conseguinte, o dólar dispara em relação ao real.

Atenta à conjuntura que se desenha neste fim de 2014, a Empiricus calcula grandes chances de um evento de estresse cambial ao longo dos próximos meses, associado à possível reeleição de Dilma e à contração monetária esboçada nos EUA. Em tal cenário, os analistas da consultoria fazem projeções preocupantes para o real, e ambiciosas para o dólar, bem acima do patamar atual.

Desta vez, ao contrário das outras, você poderá se beneficiar diretamente da valorização do USD. Basta saber para onde ele vai, e como investir.

Fonte: Empiricus

PÉROLAS DO ENEM 2015




"O Brasil não teve mulheres presidentes mas várias primeiras-damas foram do sexo feminino".

(Ou seja: alguns ex-presidentes casaram-se com travestis.)


"Vasilhas de luz refratória podem ser levadas ao forno de microondas sem queimar".

(Alguém poderia traduzir?!)


"O bem star dos abtantes da nossa cidade muito endepende do governo federal capixaba".

(Vende-se máquina de escrever faltando algumas letras.)


"Animais vegetarianos comem animais não-vegetarianos".

(Esse aí deve comer capim.)


"Não cei se o presidente está melhorando as insdiferenças sociais ou promovendo o sarneamento dos pobres. Me pré-ocupa o avanço regresssivo da violência urbana".

("Sarneamento” deve ser o conjunto de medidas adotadas por Sarney no Maranhão. Quer dizer, eu “axo”, mas não me “pré-ocupo” muito.)


"Fidel Castro liderou a revolução industrial de 1917, que criou o comunismo na Russia".

(Não, besta, foi o avô dele.)


"O Convento da Penha foi construído no céculo 16 mas só no céculo 17 foi levado definitivamente para o alto do morro".

(Demorou o "céculo" inteiro pra fazer a mudança.)


"A História se divide em 4: Antiga, Média, Momentânea e Futura, a mais estudada hoje".

(Esqueceu a História em Quadrinhos.)


"Os índios sacrificavam os filhos que nasciam mortos matando todos assim que nasciam".

(Mas e se os índios não matassem os mortos????)


"Bigamia era uma espécie de carroça dos gladiadores, puchada por dois cavalos".

(Ou era uma "biga" macho que tinha duas "bigas" fêmeas, puxada por um burro?!)


"No começo Vila Velha era muito atrazada mas com o tempo foi se sifilizando".

(Deve ter sido no tempo em que lá chegaram as primeiras prostitutas.)


"Os pagãos não gostavam quando Deus pregava suas dotrinas e tiveram a idéia de eliminá-lo da face do céu".

(Como será que eles pretendiam fazer isso?!)


"A capital da Argentina é Buenos Dias".

(De dia. À noite chama-se Buenas Noches.)


"A prinssipal função da raiz é se enterrar no chão".

(E a "prinssipal" função do autor deveria ser a mesma. E ainda vivo...)


"As aves tem na boca um dente chamado bico".

(Cruz credo.)


"A Previdência Social assegura o direito a enfermidade coletiva".

(hehe. Esse é espirituoso...)


"Respiração anaeróbica é a respiração sem ar, que não deve passar de 3 minutos".

(Senão a anta morre.)


“Ateísmo é uma religião anônima praticada escondido. Na época de Nero, os romanos ateus reuniam-se para rezar nas catatumbas cristãs".

(E alguns ainda vivem nas "catatumbas".)


"Os egipícios dezenvolveram a arte das múmias para os mortos poderem viver mais".

(Precisa "dezenvolver" o cérebro. Será que egipício é para rimar com estrupício?)


"O nervo ótico transmite idéias luminosas para o cérebro".

(Esse aí não deve ter o tal nervo, ou seu cérebro não seria tão obscuro.)


"A Geografia Humana estuda o homem em que vivemos".

(I will survive.)


"O nordeste é pouco aguado pela chuva das inundações frequentes".

(Verdade: de São Paulo até o Nordeste, falta construir aquadutos para levar as inundações.)


"Os Estados Unidos tem mais de 100.000 Km de estradas de ferro asfaltadas".

(Juro que eu não li isso.)


"As estrelas servem para esclarecer a noite e não existem estrelas de dia porque o calor do sol queimaria elas".

(Hum... Desconfio que vai ser poeta!)


"Republica do Minicana e Aiti são países da ilha América Central".

(Procura-se urgente um Atlas Geográfico que venha com um Aurélio junto.)


As autoridades estão preocupadas com a ploleferação da pornofonografia na Internet".

(Deve estar falando do CD dos Raimundos.)


"A ciência progrediu tanto que inventou ciclones como a ovelha Dolly".

(Teve a ovelha Katrina, também. Só que ela era meio violenta...)


"O Papa veio instalar o Vaticano em Vitória mas a Marinha não deixou para construir a Capitania dos Portos no mesmo lugar".

(Foi quando ele veio no papamóvel, lembra?


"Hormônios são células sexuais dos homens masculinos".

(Isso. E nos homens femininos, essas células chamam-se frescurormônios.)


"Os primeiros emegrantes no ES construiram suas casas de talba".

(Enquanto praticavam “Tiro ao Álvaro”.)


"Onde nasce o sol é o nacente, onde desce é o decente".

(Indecente: o sol não nasceu pra todos.)


Agora reparem no perigo: "Essa gente vota"...

Perdão, mas eu tenho que repassar.

Fonte: Prof. Marcos Prado

23 de janeiro de 2015

PERGUNTAS DE UM TRABALHADOR QUE LÊ

Quem construiu a Tebas de sete portas?
Nos livros estão nomes de reis.
Arrastaram eles os blocos de pedra?
E a Babilônia várias vezes destruída –
Quem a reconstruiu tantas vezes?
Em que casas da Lima dourada moravam os construtores?
Para onde foram os pedreiros,
na noite em que a Muralha da China ficou pronta?
A grande Roma está cheia de arcos do triunfo.
Quem os ergueu? Sobre quem triunfaram os Césares?
A decantada Bizâncio tinha somente palácios para os seus habitantes?
Mesmo na lendária Atlântida,
os que se afogavam gritaram por seus escravos,
na noite em que o mar a tragou.
O jovem Alexandre conquistou a Índia.
Sozinho?
César bateu os gauleses.
Não levava sequer um cozinheiro?
Filipe da Espanha chorou, quando sua Armada naufragou.
Ninguém mais chorou?
Frederico II venceu a Guerra dos Sete Anos.
Quem venceu além dele?
Cada página uma vitória.
Quem cozinhava o banquete?
A cada dez anos um grande homem.
Quem pagava a conta?
Tantas histórias.
Tantas questões.
Bertold Brecht


20 de janeiro de 2015

TEXTO INSPIRADO EM CLUBE DA LUTA E MATRIX



Parecia cômico
Parecia solidão,ver todos dias, tudo igual.
Ver um exército de pessoas vegetando em serviços
cansadas e rotineiras
Eles apenas tem que ir, porque eles não sabem nada
Cedo ou tarde, você vai aprender, assim como eu aprendi.
Cada um deles vive em mundo,cada um deles vive suas verdades 
e mentiras.
Então todos vocês enchem as ruas, é atraente de se ver
Pessoas escravizadas e manipuladas pela tv,condicinados a seus dogmas.
Ortodoxas a um padrão de vida
corpos vazios em putrefação
em um planeta prisão.
A prisão mental ou até mesmo intelectual está em todo lugar . É tudo que nos rodeia. Mesmo agora, nesta sala. Você pode vê-la quando olha pela janela, ou quando você ligar sua televisão. Você pode sentir isso quando você vai para o trabalho, quando você vai à igreja , quando paga seus impostos. É o mundo que foi colocado diante dos seus olhos para cegá-lo da verdade.
Que Somos escravos rotineiros.
Assim como todo mundo, você nasceu em um cativeiro, preso em uma cela que você não pode sentir, provar ou tocar. Uma prisão para sua mente.
Eu poderia tentar falar,mas não da pra salvar o mundo
me colocaria uma camisa de força,dopariam com remédios.
Eu lhe mostro a porta, mas é você que tem que atravessá-la.
Mais saibam o mundo verdadeiro é frio e sem vida,e saibam que ele não existe também.
É só um lugar vazio onde você pode ver todos os dias a mesma cena.Lugares desgastados,rostos desgastados
Sem expressão,indo a lugar nenhum.
E todos os meus dias se tornaram mesmice, se tornaram copias de fracassos e mentiras.
Liberdade, verdade, paz ou talvez amor? São ilusões, fantasias da percepção, sínteses temporárias de um débil intelecto humano tentando desesperadamente explicar uma existência sem significado ou propósito.
Exemplo:
Já tiveste algum sonho do qual estivesses certo que fosse real? E se fosses incapaz de acordar desse sonho? Como conseguirias distinguir a diferença entre o mundo do sonho e o mundo real.Saiba que as verdades pode variar.
Você não é o seu emprego. Nem quanto ganha ou quanto dinheiro tem no banco. Nem o carro que dirige. Nem o que tem dentro de sua carteira. Nem as calças que veste. Você é a merda ambulante do mundo.
Nós somos uma geração sem peso nenhum na história.
Você não é o que faz para viver. Você não é a sua família e não é quem pensa que é. Você não é o seu nome. Você não é os seus problemas. Você não é a idade que tem. Você não é suas esperanças.Só depois de perdermos tudo, é que estamos livres para fazer qualquer coisa.Por trás dessa verdade e crenças,a vida dentro do quadro social existe cemitérios enormes de pessoas escravizadas perdidas ano após ano.
A verdade é que você é um escravo. Como todo mundo, você nasceu num cativeiro, nasceu numa prisão que não consegue sentir ou tocar. Uma prisão para a sua mente.Você foi condicionado a ser apenas mais tijolo no muro no quadro social, para manter essa hierarquia.
Autor: Edvaldo Stronda.
(Inspirado em Clube da Luta e Matrix)

18 de janeiro de 2015

DENÚNCIA: PREFEITO DE AMERICANA DEIXA LEÕES COM FOME

OS LEÕES DE AMERICANA ESTÃO  EM PELE E OSSOS
CADÊ A VERBA PARA ALIMENTÁ-LOS
QUE REVOLTA!
AJUDE A DIVULGAR

PSDB E REDE GLOBO MANIPULANDO O SENSO COMUM

TUCANINHOS DIZEM: "...Mas, eu entendo de economia, você só sabe história..."

- Sei de nada não INOCENTE, só o básico para entender como a falta de leitura e cultura deixa a ignorância em evidência até daqueles que fizeram doutorado..

Só não tenho memória curta. rs

NO FINAL, É O SUJO FALANDO DO MAL LAVADO, A GLOBO MANIPULANDO INFORMAÇÕES E A MAIORIA QUE NÃO PENSA, NÃO RACIOCINA ACATA COMO VERDADE, SEM PROVAS... Dos piores, o menor... E que mais outra opção temos?

Quem Governa o Brasil de fato, é um Presidente mesmo?
Ou há alguém que nunca dá as caras?



ANTES DE REELEGER A PROMESSA...

APÓS ESTAR REELEITO PROMESSA QUEBRADA

VERGONHA PAULISTA

AÉCIO DERROTADO NAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS VENDIA
UMA IMAGEM DE MORALISTA, ÉTICO E HONESTO

PARA DESCONTRAIR... RS

DOCUMENTÁRIO QUE VOCÊ DEVE ASSISTIR
Este documentário é da BBC de Londres, antigo e ao mesmo tempo atual e que mostra como é que FUNCIONAVA o esquema da aliança entre POLÍTICA E MÍDIA. Foi assim na época do Presidente Fernando Collor e quase se repetiu com Aécio caso não fosse derrotado na última eleição presidencial por Dilma.
VOCÊ IRÁ ENTENDER COMO É QUE EM ESSÊNCIA A MÍDIA BRASILEIRA
TE MANIPULA:



.

17 de janeiro de 2015

DOCUMENTÁRIO - O OLHO DE HÓRUS - COMPLETO E DUBALDO

ESCOLA DE MISTÉRIOS DO ANTIGO EGITO
10 EPISÓDIOS NUM ÚNICO VÍDEO


SINOPSE

Série de documentários baseada nas investigações do Egiptólogo e Matemático R.A.Schwaller de Lubicz e também na Escola de Mistérios do "Olho de Hórus", que dirigiu o destino do povo egípcio durante milhares de anos. 
A série mostra que os sacerdotes egípcios planejaram uma maneira de elevar a consciência de seu povo, construindo, durante milhares de anos, uma série de templos ao longo do rio Nilo. Os utilizavam como "livros vivos" e enciclopédias de conhecimento para transmitir a informação acumulada, e o funcionamento do universo durante muitas gerações para seu povo. Os templos também serviam como pólo para o avanço de sua civilização.

Os antigos sacerdotes estruturaram uma sociedade baseada em 2 conceitos fundamentais: A Reencarnação, como método divino para que o espírito do homem evolua na aquisição de informações sobre o universo e a Iluminação como passo final de todo este processo. Vamos conhecer nesta série de 10 episódios estes templos e qual a mensagem que transmitem. 

EPISÓDIOS:
1  -  A Escola de Mistérios 
2  -  Osiris - O Senhor da Reencarnação 
3  -  A Esfinge - Guardiã do Horizonte 
4  -  A Flor da Vida 
5  -  Saqqara - O Complexo de Cristal 
6  -  Saqqara - A Máquina Quantica 
7  -  Dendera - O Amanhecer da Astronomia 
8  -  Edfu - O Caminho da Compreensão 
9  -  Kom Ombo - O Portal da Liberdade 
10 - Philae - O Princípio Feminino


ASSISTA O DOCUMENTÁRIO COMPLETO
DUBLADO EM PORTUGUÊS AQUI.





NIGÉRIA ATAQUE TERRORISTA - 2.OOO MORTOS, EXÉRCITO NEGA DIZENDO QUE CHEGA A 150.000

ESSE ATAQUE NEM FOI DIVULGADO COMO DEVERIA NOS CANAIS DE TV.
Ficaram lamentando as 12 mortes na França do Chalie Hebdo e praticamente desviaram a atenção sobre esse massacre desumano.


A organização humanitária Anistia Internacional divulgou nesta quinta-feira (15) imagens que mostram o grau de destruição do vilarejo de Baga, na Nigéria, antes e depois dos ataques do grupo islâmico radical Boko Haram. A organização disse que o número de mortes pode chegar a 2.000- dado que o exército nega, dizendo que as mortes não chegam a 150.

As imagens de antes e depois mostram Baga e Doron Baga nos dias 2 e 7 de janeiro. Segundo a organização, os ataques deixaram 3,7 mil estruturas danificadas ou completamente destruídas. "As fotos mostram uma devastação de proporções catastróficas nas duas cidades, uma delas quase desapareceu do mapa num período de quatro dias", disse o pesquisador da Anistia sobre Nigéria Daniel Eyre, no comunicado divulgado pela ONG.

O ataque parecia ter como alvo milícias civis de autodefesa que ajudam o Exército contra o Boko Haram.

Os radicais do Boko Haram mataram mais de 10 mil pessoas no último ano no país, segundo a organização Council on Foreign Relations. O grupo é visto como a maior ameaça para a Nigéria, maior economia da África, e um problema para o presidente Goodluck Jonathan. O país terá eleições em 14 de fevereiro.

Kerry se manifesta
Os massacres cometidos pelo grupo islamita nigeriano Boko Haram são um crime contra a humanidade, afirmou o secretário de Estado americano, John Kerry, nesta quinta, em Sofia.

Fonte G1


.

16 de janeiro de 2015

PROSTITUIÇÃO POSSUI VARIÁVEIS - QUAL A DIFERENÇA ENTRE PUTA E GAROTA DE PROGRAMA.



Todo mundo diz que puta é aquela da esquina ou as que ficam disponíveis em grupos liderados por um cafetão, dentro de um imóvel com vários quartos para que exerçam esta profissão e diga-se por sinal, são vítimas de preconceitos sociais, são desprezadas, evitadas.
A verdadeira PUTA, é aquela que vive uma vida dupla, se faz de religiosa, caridosa, bondosa e vive às custas dos maridos alheios que tem uma vida sucedida ao qual no lugar do cachê de valor afixado pelo programa feito, usam-se de chantagens, ameaçando o idiota que se, por exemplo, não ganhar um automóvel zero quilômetro, contará para sua Esposa que é amante. Essas são as piores, porque em nome de deus, se acham melhores que as que verdadeiramente, nunca viveram às custas de ninguém. Essas, são os lixos sociais porque vivem de hipocrisia, perseguem os outros em nome de deus, não possuem cultura alguma, porque garotas de programa podem pagar uma universidade, perseguem a cultura, a arte e pouco se importam com a vida alheia e muito menos fazem programas quando conhece a namorada ou esposa do seu cliente.

Puta é isso.
Garota de programa, é profissão.

OUTRO TIPO DE VARIÁVEL DA PROSTITUIÇÃO: MARIDOS SÃO INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS


Ela de início, não se entregou nos primeiros encontros, sabe cozinhar como a Mãe, cuidar de uma casa como ninguém, vai à Igreja sempre que pode, sabe inclusive até em pleno século XXI fazer tricô e crochê se bobear. Supostamente é frágil, submissa sabendo obedecer, faz vistas grossas quando ele chega às 4:00 horas da madrugada, é doce, aparenta inocência, gosta de variar o guarda roupa, de ter seu próprio carro e tem outro homem que não tem a mesma situação financeira que o Marido que a tudo pode dar o que a Esposa pede.

Ou seja: o Marido é o Banco que financia a Esposa e CORNO por tabela.

Há os Maridos que não possuem estabilidade financeira mas, é herdeiro de um pedacinho de chão, até esses podem ser o CANDIDATOS A CORNOS. A situação anda preta!

Por Val Qic











.

NEVE NO EGITO - VÍDEO

Este vídeo nos mostra o que era improvável de ocorrer no Egito: Neve!
Na Cidade de Alexandria nevou neste início de ano.
Tempestades com muitos trovões e raios vem ocorrendo desde o ano passado.
O vídeo é do dia 07 de janeiro deste ano.
Conversando com um Amigo Egípcio, ele me informou que no País todo, está muito frio.
Temperaturas de 10º a 15º graus e a noite cai para 0º.
Os Egípcios estão sofrendo com a baixa temperatura por não estarem habituados com invernos rigorosos.

Resta saber porque o clima no mundo inteiro está mudando e vulcões acordando.
Há algo muito estranho nisso, porque a mídia esconde.

VÍDEO DO DIA 07/01/2015
CIDADE DE ALEXANDRIA
video

15 de janeiro de 2015

TODA NOSSA HISTÓRIA EM APENAS 2 MINUTOS - VÍDEO

video



FRASES QUE FAZEM MUITO SENTIDO



CHARLIE HEBDO - EU NÃO SOU CHARLIE

PARA AUMENTAR AS IMAGENS BASTA CLICAR


QUEM SOMOS NÓS DE VERDADE ? (-VÍDEO - LINDO - VALE A PENA VER-)

O que ou quem nos impede de colocarmos em prática o que esse maravilhoso vídeo nos revela?
Será que não estamos mais focados em provar qual dos nosso ídolos religiosos ao qual adoramos é o mais correto?
Será que estamos evidenciando às diferenças que possuímos de forma natural e excluindo pessoas ao invés de nos direcionar às evidências de que somos a raça humana e que temos a ilusão de que fronteiras nos separam, culturas, costumes, religiões e línguas sem se dar conta que hoje temos essa maravilha da internet que encurta distâncias, traduz idiomas, facilitando a comunicação de uma maneira mais fraterna?
O que nos impede?
Será que esses Governos Mundiais não estão nos escravizando através do Capitalismo onde sem que percebamos, estamos indo para o fundo do posso do CONSUMISMO exagerado e desnecessário onde até em sites de relacionamentos, o ABSURDO DO CONSUMISMO É VENDER-SE A SI MESMO(A), como se fosse uma vitrine exibicionista no CONSUMO DO NARCISISMO ?

Será que não percebem que a palavra MODA escravizam as pessoas para que além de nutrirem o SISTEMA através do CONSUMO, evidencie mais o exterior, as aparências, a tratar o íntimo, o individual, o lado interior priorizando a reflexão para poder-se viver de uma forma mais justa com quem deveríamos chamar de irmãos?

A MODA está tão mais priorizada que amar ao próximo, se doar, realizar trabalhos voluntários que isso virou sinônimo de cafonice ou de gente idiota?

Vamos refletir e entender que a mídia manipula o senso comum para que todos continuem nesse sono letal onde muitos apenas existem e não vivem na base da união fraternal, na compaixão, compreensão e colaboração com o próximo independente de sua cor de pele, religião, ceticismo, classe social e preferência sexual.

O Mundo está carente de amor entre humanos e isso só é possível através da tolerância direcionando nossas intenções às qualidades dos nossos semelhantes, não às diferenças.

Vamos nos esforçar para revertermos isso!

BOM DIA!

Val Qic

video

14 de janeiro de 2015

MAIS DE 2 MILHÕES DE PESSOAS MORREM DE FOME TODOS OS DIAS SEGUNDO A ONU


Mais de dois milhões de pessoas morrem de fome a cada dia, mais do que pela malária, a aids e a tuberculose juntas, segundo o relator especial da ONU para o Direito à Alimentação, Jean Ziegler, que alertou hoje que essa arma também é usada "no Iraque pelas forças de coalizão".

"Em 2003, 841 milhões de pessoas morreram de fome. No ano seguinte, em vez de diminuir, como nos comprometemos com os Objetivos do Milênio, esse número aumentou em mais 11 milhões", destacou Ziegler numa entrevista coletiva.

Por ocasião da celebração no domingo do Dia Mundial dos Alimentos, o relator contou que, segundo cálculos, o mundo pode produzir comida suficiente para alimentar diariamente 12 bilhões de pessoas, o dobro da população mundial.

Nas Nações Unidas, o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, também lembrou por meio de uma nota que mais de 850 milhões de pessoas sofrem com a fome no mundo, um número que a comunidade internacional pretende reduzir à metade até 2015.

"A situação na África é realmente preocupante, porque o massacre provocado pela fome aumenta cada vez mais", disse Ziegler.

No continente, o número de pessoas mal-nutridas passou de 88 milhões em 1999 para mais de 200 milhões em 2001.

Mais de três em cada dez habitantes da África são malnutridos, o que representa "uma verdadeira crise continental".

Entre os exemplos citados por Ziegler destacam-se os de Burkina Fasso, onde "a escassez de alimentos chega a 70%"; Mali, onde "mais de 10% da população não tem o que comer"; Sudão, onde "3,5 milhões de pessoas são vítimas da fome"; e Etiópia, país em que "mais de 3,8 milhões de habitantes precisam urgentemente de ajuda alimentar".

O relator lamentou a situação do Níger e a "lenta" resposta internacional, que se intensificou depois que os meios de comunicação divulgaram imagens da população nigerense.

Devido à escassez generalizada de recursos para enfrentar a fome na África, as rações diárias de alimentos se reduziram, em várias ocasiões, das 2.500 calorias recomendadas pela ONU a "quantidades realmente insuficientes para a sobrevivência".

Todas estas observações serão expostas semana que vem por Ziegler na Assembléia Geral da ONU em Nova York.

Ziegler também deve denunciar a "flagrante violação dos direitos humanos que representa a estratégia utilizada pelas forças da coalizão no Iraque para isolar os insurgentes".

"As estratégias militares das partes em conflito, forças da coalizão e grupos rebeldes, incluem a interrupção da distribuição de alimentos e água nas cidades atacadas", afirmou.

Ziegler garante que suas fontes são "numerosas" e que todas concordam que "a estratégia para ataques militares das forças da coalizão consiste em cercar a cidade atacada e cortar o fornecimento de alimentos e água, para forçar a população civil a abandoná-la" e isolar os insurgentes.

Na sua opinião, as partes de um conflito armado têm o dever de garantir, nos territórios que estejam sob controle, todas as necessidades básicas da população civil.

Além disso, defendeu que, quando a população abandona as cidades para obter alimentos, não lhes é fornecida comida suficiente. Como exemplo, citou os ataques a Tal Afar, Samarra e Faluja.

Fonte: Uol Notícias